Portal O Senado
PresidÍncia
Grandes Momentos do Parlamento Brasileiro
 
 



"A nós cabe, como coube ao Presidente, o gesto aberto da generosidade, o primeiro. Se ele é aceito, muito bem, e haverá segundo, e haverá terceiro, e haverá perspectiva."

Jarbas Gonçalves Passarinho nasceu em Xapuri (AC), no dia 11 de janeiro de 1920, filho de Inácio de Loiola Passarinho e de Júlia Gonçalves Passarinho.

Aos três anos de idade, foi com a família para Belém. Seguiu depois para o Sul, onde cursou a Escola Preparatória de Cadetes de Porto Alegre. Mudou-se para o Rio de Janeiro, em 1940, ingressando, no ano seguinte, na Escola Militar de Realengo.

Chegando a major em 1953, fez o curso da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME), que concluiu em 1955.

De 1956 a 1957 foi estagiário, adjunto e chefe de seção do quartel-general do Comando Militar da Amazônia e, em 1958, foi nomeado superintendente-adjunto da Petrobrás na região amazônica, tornando-se seu superintendente em 1959.

Em agosto de 1962, alcançou o posto de tenente-coronel.

Indicado por Castelo Branco, Jarbas Passarinho assumiu em junho de 1964 o Governo do Pará, eleito pela Assembléia do estado.

Em janeiro de 1966 transmitiu o Governo do Pará a Alacid Nunes e, dois meses depois, ao serem criados a Aliança Renovadora Nacional (Arena), agremiação política de apoio ao Governo, e o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), filiou-se à primeira, tornando-se presidente de sua seção paraense e membro do seu diretório nacional e da sua comissão executiva.

Em novembro de 1966 elegeu-se senador pelo Pará, na legenda da Arena. Em 15 de março de 1967 foi convidado pelo novo Presidente da República, Artur da Costa e Silva, para o Ministério do Trabalho e Previdência Social. Nesse mesmo ano passou para a reserva, com a patente de coronel.

Em 30 de outubro de 1969, em virtude do agravamento do estado de saúde de Costa e Silva, toma posse na Presidência da República o General Emílio Garrastazu Médici, que convida Jarbas Passarinho para a Pasta da Educação.

Em 1974 reassumiu sua cadeira no Senado Federal. E, em novembro do mesmo ano, foi reeleito pela Arena do Pará.

Em fevereiro de 1981 foi eleito Presidente do Senado Federal.

Em novembro de 1983, a convite do presidente João Figueiredo, assumiu a Pasta da Previdência.

Em 1986, foi eleito como senador para a Assembléia Nacional Constituinte, pelo PDS do Pará, em aliança com Jáder Barbalho, que se elegeu governador.

Foi Ministro da Justiça do Governo Fernando Collor, de 15 de outubro de 1990 a 2 de abril de 1992, quando retornou ao Senado, para concluir seu mandato em janeiro de 1995.

Casou-se com Ruth de Castro Gonçalves Passarinho, com quem teve cinco filhos.

voltar ao início da página

 

 

23 de agosto de 1979

 

Contexto Histórico
Áudio - mono

Áudio
Volume 2

Pronunciamento
Áudio - mono

Áudio
Volume 2

 

Na mesma sessão do Congresso Nacional, de 23 de agosto de 1979, o Senador Jarbas Passarinho admite que o projeto governamental era a anistia então possível e deveria ser considerado como o primeiro passo, que poderia ser futuramente ampliado. Além disso, explica que apenas 65 acusados de terrorismo não tinham sido beneficiados.

 

 

 

voltar ao início da página