|. HOME .| -->

Sinditelebrasil

Sinditelebrasil e Teleco consideram a falta de computadores uma barreira maior que o preço do serviço

Estudo do Sinditelebrasil e da consultoria Teleco não considera que o preço da banda larga seja uma questão tão preocupante no Brasil. Em primeiro lugar, baseado nos dados da UIT, o estudo avalia que o preço médio da banda larga no Brasil caiu 40,7% em 2009, em comparação com 2008 (de US$ 47,30 para US$ 28,03).

Mais que a falta de acesso à banda larga, o Sinditelebrasil e a Teleco consideram a falta de computador uma barreira maior para o acesso dos brasileiros à internet.

“O estudo do Ipea de 2009 estimou que 10,2 milhões de domicílios possuíam acesso a banda larga fixa e que o número poderia passar para 35,2 milhões com a diminuição do preço. Essa quantidade é irreal, pois é muito maior que a quantidade de domicílios com computador, de 17,9 milhões (segundo a Pesquisa Nacional de Amostra Domiciliar – Pnad de 2008, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE). A principal barreira não é o custo do acesso à internet, mas, sim, a falta de microcomputador no domicílio”, afirma o estudo.

Independentemente da razão, seja o preço do computador, a carga tributária ou a falta de competição, os dados da UIT demonstram que o poder de compra do brasileiro é uma barreira para o acesso à internet, que não ajuda o país a melhorar sua posição na avaliação da ONU.

Comentários

ter computador é sinônimo do acesso a banda larga?

Temos signicados de 2009 á 2008 a respeito ada ausencia do não tão somente do acesso a banda larga popular , mais sobre tudo a inadeprencia finnaceira da população não atingem o desejo de ter um computador. As ofertas não temn deixado a população se programar a possuí-lo por um lado a população concetado em preço alto, por outro a quem precisaria de acesso e mais precisamente o computar e não poem comprar. A pesquiza deviaria savber quantos gostaria de possuir um micro computador e apos consegilo como faria para mante-se na rede? A resposta é simples não adiantaria tanta tecnologia, preço, oferta se não a computador em preço popular onde e quando podecem de fato ter acesso. Nota que a situação é bem mais complexa do que se imagina quando pesquisa oponta que entre 2009 á 2008 só 10.2 milhões de domicílios popusuiam acesso sabemos que este número poderia aumentar se todos domicílios tevessem direito ou condições a terem um computador, estima-se que este número poderia chegar a 35,2 milhões se houvesse preço mais accessível ao bolço da população. Ainda lembra no mesmo período pesquisa do IBGE afirma que o aceso a internet não está diretamente voltado aos preços autos bem que quem podem paga e quem não podem fica sem acesso já que ainda existem a grande barreira representa a falha de microcomputador no domicílio, este estudo versa que tanto o preço do acesso quanto o acesso a comprra e preço do computador tem deixado a população fora da rede, seja prreço de compra, carga tributária, falta de computador todos esses vertentes dificulta os dados da ULT demostrarem que o poder de compra ainda está longe do alcançe porem, não ajuda o país melhorar sua posição na avaliação da ONU. Os imposts cobrados na compra do computador já supera os gastos que posteriomente fossem cobrados os usuáris quando na compra do microcomputador ale, já adria o direito ao acesso. O preço varia com a velocidade, usuário que pretende assitir um vídio não pode optar pela internet discada, nem a popular, já que demora em torno 30 aou mais segundo para abrir uma página, depende do computador do usuário, a insatsfação da queda de conecção não deicxa duvida que o usuário acaba assumindo plano e preço que não coseguem pagar e acabam na inadiplencia ou restrito ao acesso. A inadiplência a irritabilidade de usuário de banda larga tem aumentado constantimente. Ainda muitas pessoais que acabam procurando os orgão de proteção ao consumidor pela falta de respeito quando este querer apenas ter um acesso de qualidade. Os que teverão seus nome protestados, e não conseguem mais terem acesso, quando optam por outras formam não conseguem adapação dela mudança de abto e tecnologia. A banda larga no Brasil temn sido um problema grande para muitas pessois que ficam irritados e acabam permitindo seus filhos terem acesso nas lam, ou fora dela em casa de amigos e visinho e muitas vezes nas populaç~oes mais carente ficam espostas ao riso, já que seus pais não podem pagar ou comprar um computador. Em conversa com alguns moradores de crianças que não vão muito bem an escoal falam que se estivessem acesso ao computador e interente almentaria o interesse já que o computador e o aceso a intenet seria uso exclusivo educaciona. A outras familiares que não pdem compara o computador e deixam seus filhos irem os lugares duvidosos e nem muitos vão exatamente ou ficam no l,ocal indicado. O acesso a internet fora de suas residencia mostra risco já que seus pais não sabem quais são o destino após uso ou como usa longe de seus olhos. Uma moradora diz que seu filho mudou comportamento na escola e em casa por que sua mãe fachineira prometeu o ano inteiro qye se passam de ano ganharia um computador. Para ua decepção sua mãe não consegui a meta e não compriu , quando confiou. O jovem não entedeu que sua mãe deu preoridade ao aluguel e a conta de luiz atrasada e de lá para cá, seu comportamento não é mais o mesmo. O que o jovem queria era seu computador, sita sempre que seu coleguinha temn e e ele não. desenvolveu um complexo de inferioridade se ensolou, nem mais que ir a lam, sua mãe lhe oferece diheiro, permitem que ele vá a casa do coleguinha e mesmo assim recusa. irritada com nome protestado se desispera, o que fazer sei que meu filho meresse e nãoposso comprar o computador que tanto quer. Esta é uma intrevista feita com uma moradora que diz mesmo se comprar o computador não terei condições de pagar o aceso já que não tenho trabalho fixo e sobrevivo de mic de fachina.

02/09/2011 13:30:49, Alexandre Nunes Viana
Faça seu comentário