SENADORA SE SOLIDARIZA COM FAMILIARES E DESTACA IMPORTÂNCIA DE LUIZ ANTÔNIO BARRETO

 


17.04.2012

A senadora Maria do Carmo Alves (DEM) lamentou o passamento do historiador e jornalista, Luiz Antônio Barreto, ocorrido por volta das 10h30 da manhã de hoje (17). “Todos nós sergipanos já estamos sentindo a sua falta. Luiz Antônio era um exemplo de cidadão, um pesquisador nato, um estudioso e conhecedor profundo da história, não só de Sergipe, em todas as esferas. Sem dúvida, uma grande perda”, falou a senadora, ressaltando que com a sua morte, “a cultura e a literatura ficam mais pobres”.

Luiz Antônio morreu aos 68 anos, por falência múltipla dos órgãos, nas dependências do Hospital Primavera, em Aracaju, onde esteve na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), nos últimos 14 dias. Ele foi internado para tratar, a priori, de uma infecção urinária, mas com o agravamento do quadro clínico, acabou sofrendo uma infecção generalizada, resultando na paralisia dos seus órgãos.

“Luiz era nosso amigo de longa data, e foi secretário de Comunicação no primeiro governo de João (Alves Filho, o seu esposo)”, lembrou a senadora, ao observar que sempre existiu uma relação de carinho e muito respeito entre o historiador e a família Alves. “Lamentamos profundamente a sua morte e nos solidarizamos com toda a família enlutada”, adiantou Maria do Carmo.

Imortalizado pela Academia Sergipana de Letras, onde ocupava a cadeira de número 23, Luiz Antônio exercia, na atualidade, a função de diretor do Instituto Tobias Barreto. Pela facilidade de acesso e profundo conhecimento dos fatos, Luiz Antônio era referência no Estado de Sergipe e sempre serviu de fonte de informações para toda a imprensa sergipana. No prelo, ficou a biografia do reitor da Universidade Tiradentes (Unit), Jouberto Uchôa de Mendonça, que seria lançada no próximo mês.

Ao longo dos seus 68 anos, Luiz Antônio Barreto teve uma atuação marcante e muito influente. Além de secretário do governo de João Alves Filho, na década de 1980, ele foi diretor da Galeria Álvaro Santos, Secretário de Educação e de Cultura, do município de Aracaju e do Estado de  Sergipe. Também foi assessor do Instituto Nacional do Livro (INL), superintendente e Diretor do Instituto de Documentação Joaquim Nabuco e diretor da Fundação Augusto Franco.

No seu currículo também se registra passagem pela direção do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira (Portugal), foi membro do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe e do Conselho Estadual de Cultura. Além disso, escreveu mais de 30 livros e muitas dezenas de artigos, publicados em vários veículos, nos quais também atuou.

Especialista em biografias, em 2007, escreveu o livro Personalidades Sergipanas. Luiz Antônio Barreto escreveu para o jornal de Sergipe, Folha Popular, A Cruzada, Correio de Sergipe, Jornal da Cidade, Gazeta de Sergipe, Revista Perspectiva, Jornal do Dia e Portal Infonet, onde matinha uma coluna

 

 

 

 

 

Informações fornecidas pelo Gabinete da Senadora