Fernando Henrique mostrou seu quarto a Lula e diss

O encontro do presidente Fernando Henrique Cardoso com o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) na casa ,do senador Antonio Carlos Magalhães, durante o jantar que o presidente do Congresso ofereceu ao presidente da Assembléia Nacional portuguesa, deputado Antônio de Almeida Santos, foi o melhor assunto de ontem. O encontro, registrado em reportagem de uma página pelo Globo, deu ao Presidente a oportunidade de dizer a um dos representantes do partido que mais o fustiga, que a oposição está exagerando. "Vocês estão excedendo", disse Fernando Henrique a Suplicy. A conversa dos dois, numa roda que excluía parlamentares portugueses, teria ficado nas amenidades elegância, idade não fosse um lusitano indagar sobre os grampos, caso que os jornais portugueses tem dado muito destaque. "A oposição não tem, sido injusta comigo. Está se excedendo. Falam até no meu impeachment, não é Eduardo?" Suplicy respondeu que, no Senado, o PT está pedindo uma CPI para apurar o favorecimento do Governo... Fernando Henrique interrompeu: "Eduardo, você é talvez uma das testemunhas mais autorizadas a dizer aqui para os nosso amigos quem sou eu, pois afinal de contas nos conhecemos praticamente garotos". O senador petista lembrou, então, que tinha 19 anos quando levou Fernando Henrique para fazer ,uma palestra aos estudantes da FGV. A conversa seguiu no caminho das reminiscências. Fernando Henrique contou que ele e Suplicy fizeram política juntos e até haviam morado juntos numa casa de Praia em Picinguaba. O Presidente disse aos portugueses que tem respeito e admiração por Lula, e que são amigos de longa data. Revelou que quando Lula aparece na televisão falando mal dele, simplesmente desliga o aparelho. " - Fico triste, perco até o humor", disse o Presidente. E completou: "Para vocês terem uma idéia do quanto eu gosto e admiro o Lula". O melhor das revelações do Presidente estava por vir. Dirigindo-se a Suplicy, Fernando Henrique contou: "Vocês sabe, Eduardo, o que eu fiz com Lula quando ele esteve comigo no Alvorada: Mostrei a ele o meu quarto e disse. "Um dia isso aqui vai ser os seus aposentos. A gente faz isso com adversário: Nem com todos os amigos a gente faz isso. Pois eu mostrei a Lula as dependências da residência oficial em que moro. Mostrei o meu quarto". Da Globo para a Folha de S.Paulo, empenha na abertura da CPI para investigar a venda da Telebrás (a Folha publicou em primeira mão o conteúdo das fitas em que aparece o diálogo de Fernando Henrique com André Lara Resende). O jornal paulista dá manchete com uma pesquisa do datafolha - um instituto do próprio jornal: "Em SP, 82% querem CPI da Telebrás". Segundo a pesquisa, 58% ,dos paulistanos acham que Fernando Henrique agiu mal ao permitir o uso do seu nome "para favorecer consórcio" (o consórcio liderado pelo banco Opportunity para disputar a Tele Norte Leste". Já uma pesquisa da MCI, divulgada pelo Palácio do Planalto, traz números mais animadores para o Governo, no caso do grampo no BNDES. O conteúdo das conversas envolvendo o Presidente foi assim avaliado pelos entrevistados: 27% acham que o Presidente errou, 24% consideram que não houve aprovação oficial a ações negativas e 29% avaliam que o Governo apenas apoiou ações positivas na participação dos leilões das privatizações. O resultado desta pesquisa está publicado no Jornal do Brasil, coluna de Dora Kramer, e no Jornal de Brasília, coluna SIM/NÃO, assinada pela repórter Cristina Lôbo. De resto, nada de novo ou intrigante nos jornais desta quinta-feira. Em todos eles, a primeira página tinha um pedaço triste ( a derrota de Gustavo Kuerten) e um alegre ( a vitória de Meligeni). Tínhamos esperança de vê-los hoje jogando a semifinal, mas, como diz o título do JB, "só o Fininho vai ao encontro".