Congresso prepara-se para nova legislatura

Parlamentares terão de reorganizar nesta semana cúpula do Senado e da Câmara ARNALDO GALVÃO ROSA COSTA BRASÍLIA - Os parlamentares terão uma trégua na votação de medidas do ajuste fiscal no fim desta semana para reorganizar as Mesas Diretoras da Câmara e do Senado e preparar a recepção aos eleitos em outubro. A posse dos 513 deputados e de 27 senadores será na segunda-feira, dia 1º. Oficialmente, como manda a Constituição, as atividades recomeçarão no dia 15, mas como coincidirá com a segunda-feira de carnaval, os trabalhos só deverão recomeçar uma semana depois. A maior parte dos deputados, 330 deles, conseguiu reeleger-se. Entre os 183 "novatos", 32 já exerceram mandato parlamentar. A reeleição no Senado foi bem menor, possibilitando o retorno à Casa apenas de 7 dos 27 senadores que entraram na disputa. Nos dois primeiros dois anos da nova legislatura, permanecerão o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e o deputado Michel Temer (PMDB-SP) nas presidências do Senado e da Câmara. O acerto feito pelos dois maiores partidos, PFL e PMDB, chegou a ser contestado pelos deputados tucanos. Houve um começo de barulho no período pós-eleição, mas eles preferiram aguardar a composição das comissões e da nova Mesa para reivindicar outros cargos. Até agora, o entendimento tem sido aceito pela maioria dos parlamentares. A aceitação é maior no Senado, apesar de o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) considerar esse entendimento inconstitucional. Sem o acordo, caberia ao PMDB indicar o presidente do Senado. O partido substituiu o PFL como a maior legenda, ao aumentar a bancada de 22 para 27 senadores. Seu presidente, o senador Jáder Barbalho (PA), vai analisar com a bancada, na quarta-feira, a possibilidade de reivindicar uma compensação pela perda do mais importante cargo do Legislativo. O que pode resultar na obtenção da segunda secretaria, ocupada pelo PFL. Sem isso, a tendência é a de manter nos cargos os parlamentares que continuarão com mandato. O senador Osmar Dias (PSDB-PR) lembra que seria "deselegante" desalojar um colega que exerce bem suas atividades. O vice-presidente da Câmara, deputado Heráclito Fortes (PFL-PI), informa que há consenso no partido quanto a sua manutenção e a do quarto-secretário, Efraim Moraes (PFL-PB), nos cargos que ocupam. No Senado, estarão vagos, em decorrência do final de mandatos, a segunda vice-presidência, a terceira e a quarta secretarias.