Na posse, defesa do diálogo com a oposição

BRASÍLIA - Ao tomar posse ontem em cerimônia concorrida, o novo ministro das Comunicações, Pimenta da Veiga, disse que buscará diálogo com a oposição. "Quero ter canais diretos e abertos com a oposição, um entendimento amplo e elevado onde se busca fundamentalmente um debate de idéias do interesse nacional". Pimenta também rebateu os ataques que vêm recebendo de lideranças de partidos aliados que não aceitam o seu nome como sendo o novo articulador político. "Nem a mineiridade, nem o perfil tucano haverão de restringir meu trabalho", disse. "Considero as credenciais facilitadores desta tarefa que será cumprida com visão nacional e isenção partidária". Ao final da solenidade, Pimenta da Veiga disse que começou a exercer funções políticas no governo antes de assumir o cargo de ministro. "Eu diria que até já comecei a conversar para ajudar a organizar as votações", declarou. Segundo ele, neste primeiro trimestre o Brasil viverá um cenário de grandes dificuldades. "Por isso é essencial uma resposta rápida do País, demonstrando que as dificuldades que nos atingiram serão superadas pela convergência política em torno do ajuste econômico", conclamou Pimenta da Veiga, dirigindo-se aos parlamentares. Estavam presentes ao evento, os presidentes do Senado, Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), e da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), além de líderes de partidos aliados e do governo. À posse, também compareceram vários ministros e governadores, além dos presidentes do PSDB, senador Teotônio Vilela Filho (AL) e do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC).