|. HOME .| -->

Com participação do Senado, presidente Lula faz proposta na ONU, para 2012, de nova conferência com temas de meio ambiente e desenvolvimento sustentável, a Rio+20

O Senado está intrinsecamente ligado à realização da Rio+20. A ideia começou a germinar a partir de uma proposta feita pelo senador Fernando Collor (PTB-AL) ao então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em março de 2007, defendendo que o Brasil se oferecesse para sediar a quarta conferência da ONU sobre o meio ambiente. Collor argumentou que seria uma oportunidade única não apenas para se fazer um balanço dos 20 anos desde a Rio-92, mas também para que se buscasse um consenso internacional em torno de um novo protocolo ambiental, capaz de substituir o de Kyoto.


Collor confia na participação da sociedade
para quebra do “terrível paradigma” que é
o atual padrão mundial de produção e consumo
(Foto: José Cruz/Agência Senado)

Convencido, o presidente Lula aproveitou seu discurso na abertura da 62ª Assembleia Geral da ONU, em 25 de setembro de 2007, para formalizar a proposta brasileira. “Precisamos avaliar o caminho percorrido e estabelecer novas metas. Proponho em 2012 uma nova conferência que o Rio se dispõe a sediar, a Rio+20”, disse Lula, que à época enfatizou a necessidade de o mundo buscar “uma nova matriz energética” e mudar seus padrões de consumo, apontando os biocombustíveis como elementos vitais nesta empreitada.

“Não nos iludamos: se o modelo de desenvolvimento global não for repensado, crescem os riscos de uma catástrofe ambiental e humana sem precedentes. É preciso reverter essa lógica aparentemente realista e sofisticada, mas na verdade anacrônica, predatória e insensata, da multiplicação do lucro e da riqueza a qualquer preço”, afirmou o presidente Lula em seu discurso na ONU.

Em janeiro de 2010, a ONU aprovou a proposta brasileira e, por meio de duas resoluções, deu início aos preparativos para a Rio+20. O Senado, que já tinha duas subcomissões permanentes para acompanhar a questão das mudanças climáticas (uma na Comissão de Relações Exteriores e outra na de Meio Ambiente), reforçou sua participação no tema ao incluir, no início de 2011, a conferência mundial de 2012 nas atribuições dos colegiados.

Até mesmo na organização do evento da ONU o Senado tem contribuído. Os senadores Collor, presidente da CRE, e Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), presidente da CMA, tiveram participação já na primeira reunião preparatória da comissão nacional incumbida de organizar a Conferência Rio+20.

Desde então, especialistas brasileiros e do exterior foram ouvidos no Senado sobre os temas apontados como centrais na agenda da conferência sobre meio ambiente, registrados no relatório conjunto oferecido como contribuição ao governo: economia verde, no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza, e estrutura institucional de governança do desenvolvimento sustentável.

Faça seu comentário