|. HOME .| -->

Número de patentes por empresas ou pesquisadores em universidades é baixo no Brasil

Cresce produção científica do Brasil, mas número de registros de novos produtos e tecnologias ainda é muito baixo

Na definição sucinta do professor Marcelo Sampaio de Alencar, do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Campina Grande (PB), inovação é, tipicamente, a contagem de patentes. E, por esse critério, estamos bastante mal, como admitiram os especialistas ouvidos pelo Senado. No entanto, propostas legislativas já apresentadas e sugestões recolhidas ao longo deste ano podem ajudar a modificar um cenário em que o Brasil, apesar de responder por 2,4% das publicações científicas mundiais, alcança apenas 0,2% da produção de patentes.


Professor Marcelo Sampaio de Alencar diz que
só recentemente o CNPq abriu linha para valorizar
patentes, pontuando-as na avaliação dos pesquisadores
(Foto: Vagner Carvalho)

Parte da culpa por essa situação é atribuída ao sistema de universidades do Brasil. Se o professor não é proibido de fazer uma patente, certamente tem pouquíssimos estímulos, ao ponto de, se ele fizer a patente, ela não lhe pertencer.

“Nenhuma universidade vai fazer patentes, porque as pessoas não têm interesse. O que se lucra com isso? Só há cinco ou seis anos o CNPq começou uma linha para valorizar patentes, pontuando patentes na avaliação dos pesquisadores. Quer dizer, é uma premiação muito simples, singela, conta alguns pontos para a carreira de pesquisador”, diz Marcelo Sampaio.

Fora do Brasil, a realidade é outra. A Universidade de Waterloo (Canadá), onde Sampaio fez doutorado, financia entre 70% e 100% da patente, que continua pertencendo ao pesquisador.

“Não é saudável para um país que todas as patentes sejam depositadas pela universidade. Seria bom que saíssem mais das empresas. Mas a legislação não ajuda muito. Quando uma empresa faz um projeto em parceria com a universidade, a patente pode, no máximo, ser compartilhada”, complementa Glaucius Oliva, presidente do CNPq.

O físico e astrônomo Marcelo Gleiser lembra que parceria idêntica acontece nos Estados Unidos, beneficiando o pesquisador, que pode até criar uma empresa dentro da universidade, para controlar a patente.

“Se a patente for vendida para outra empresa externa, ambos ganham. Um sujeito que faz bioengenharia ficou milionário no ano passado porque fez um processo de duplicação de proteínas, vendeu a patente e ganhou a maior nota, e a universidade também ganhou”, contou Gleiser.

Comentários
Faça seu comentário

Sumário

Indicadores de inovação tecnológica no mundo: a posição do Brasil nos rankings

Participação de commodities e de produtos de alta tecnologia na exportação do Brasil

Crise econômica mundial, exportação de commodities e primarização

Investimento em pesquisa e desenvolvimento, ciência, tecnologia e inovação no Brasil

Financiamento público nos países para pesquisa e desenvolvimento de tecnologia

Indústria no Brasil tem pouca participação nos produtos de inovação tecnológica

Laboratórios de pesquisa do Coppe na UFRJ

Convênios tecnológicos da UFCG, PB, referência em tecnologia e engenharia

Incubadoras de empresas no Brasil

Inovação, empresas e universidades: parques tecnológicos no Brasil

Leis federais e estaduais para incentivo de ciência, tecnologia e inovação no Brasil

Pesquisa, ciência, tecnologia e inovação começam na educação

Investimento em inovação tecnológica: Finep e os pesquisadores brasileiros

Universidade: doutores que não chegam às empresas e à pesquisa na indústria do Brasil

Formação em engenharia no Brasil: engenheiros para ciência e inovação tecnológica

Orçamento público de ciência, tecnologia e inovação: investimento do governo do Brasil

Desenvolvimento de pesquisas: NITs e redes temáticas

Programa Ciência sem Fronteiras: bolsas para estudantes e pesquisadores

Programas do CNPq para desenvolvimento de projetos de pesquisa em empresas

A Lei do Bem (Lei nº 11.196, de 2005)

Empresas privadas e leis de incentivo à ciência no cenário nacional

A economia do conhecimento: seminário sobre produção, ciência, tecnologia e inovação

Universidades do Brasil: poucas patentes e inovação tecnológica

Projeto de lei para setor de ciência, tecnologia e inovação

Recursos: o fundo social dos royalties de petróleo