|. HOME .| -->

As drogas na Suíça

A experiência com as drogas na Suíça se destaca sobretudo no tratamento de usuários de heroína, maior problema do país na área das drogas nos anos 1980. A opção foi implementar uma política baseada em saúde pública, com prevenção e terapia, em vez de criminalizar o usuário.

Em 1994, foi adotada na Suíça também a prevenção de danos: um programa de tratamento por administração de heroína e a criação de salas para injeção supervisionada. Cerca de 3 mil usuários problemáticos dessa droga (entre 10% e 15% dos dependentes e entre 30% e 60% dos consumidores) passaram a recebê-la gratuitamente. O governo da Suíça teve que negociar essa possibilidade, baseando-se na avaliação de que, quem abusava da heroína, ao recebê-la legalmente, deixaria os crimes e o tráfico de drogas.

O número anual de novos usuários caiu de 850 em 1990 para 150 em 2005. E cerca de um terço dessas pessoas deixaram a droga espontaneamente sem nem mesmo um tratamento associado. A política fez com que o mercado ilegal de heroína se inviabilizasse e levou a uma queda de 90% nos crimes contra a propriedade cometidos por participantes do programa do governo.


Ruth Dreifuss, ex-presidente da Suíça, é uma das integrantes da Comissão Global de Políticas sobre as Drogas da ONU. Foto: Spray Filmes

Em 2008, um plebiscito rejeitou o fim do programa com mais de dois terços dos votos. Também foi rejeitada a legalização da maconha na Suíça.

Comentários

Epidemia de Crack

Outros paises europeus como Holanda e Portugal adotaram medidas similares contra a epidemia de heroina e todos os casos sao considerados sucessos. Porque nao implementar a mesma politica no Brasil que sofre uma epidemia de uso de crack ao jnvez de continuar esta politica fracassada implementada a mais de 40 anos?

16/03/2013 13:01:18, Bernardo Guerreiro

Vamos aprender com eles

Em vez de importar a política enlatada dos EUA, que soh gera mais violencia e nao freia o consumo (piada), deveriamos copiar modelos que funcionam como o suiço

25/04/2013 17:52:35, marcos
Faça seu comentário