|. HOME .| -->

As drogas na Suécia

Ao contrário da tendência europeia de descriminalização, na Suécia o consumo de drogas é considerado crime, com punição de até três anos de prisão, desde 1993. Mais de 90% dos suecos rejeitam a tese da descriminalização ou da legalização das drogas. Essa política é associada a fortes ações de prevenção e a tratamento efetivo. Prioridade nacional na Suécia, ela envolve governo, ONGs, voluntários, empresas, escolas, igrejas e famílias.

Nos últimos 30 anos, o número de dependentes de drogas na Suécia caiu de 12% para 2%. A taxa de usuários de cocaína é um quinto da taxa dos países vizinhos, como Inglaterra e Espanha. E, segundo as informações trazidas ao Senado pela embaixadora da Suécia, Annika Markovic, até o momento o país está livre do crack.

Há grande investimento na repressão às drogas: 60% dos recursos da polícia de fronteira, por exemplo, são usados com esse fim. “Rejeitamos todo e qualquer tipo de droga não medicamentosa e não aceitamos a integração das drogas em nossa sociedade”, afirmou a embaixadora. Dessa forma, não há distinção entre drogas leves ou pesadas na Suécia.


A embaixadora Annika Markovic: legislação mais rígida no combate ao tráfico e nas punições aos usuários. Foto: Lia de Paula

As pessoas suspeitas passam por testes para detecção do uso de drogas. No caso de condenação à prisão, se o usuário representar um risco a si próprio ou à comunidade, o tratamento pode ser compulsório, por no máximo seis meses. Depois disso, ele escolhe se continua se tratando ou se vai para a prisão.

“O tratamento visa preparar o dependente a retornar ao convívio social, incluindo trabalho comunitário e terapêutico”, assinalou Annika, revelando que o serviço social da Suécia mantém contato com cerca de 80% dos usuários de drogas injetáveis.

Comentários

Leis que verdadeiramente funcionam!

Isso é coisa que nunca ocorrerá no Brasil, pois aqui as leis são tão ultrapassadas e emendadas que uma atitude como essa é abolida por todos, inclusive pelos poderes que são extremamente da direita e só pensa no que é melhor para si. Admiro muito a Suécia e se Deus quiser e tiver pena de mim, um dia quando crescer e tiver meu emprego me ajudará a morar em um país assim!

12/02/2013 16:29:34, Randelly

Complicado, mas apoio

Acho um pouco complicado fazer algo mais radical no Brasil, pelo tamanho do país, quantidade de países que faz fronteira, a grande quantidade de importação e exportação feita no país, os próprios policiais que hoje trabalham para ter um emprego e não para defender a nação e os habitantes, a visão dos brasileiros em relação aos problemas sociais, o descaso de políticos com locais que tem uma maior facilidade de tráfico, sucateamento dos poderes militares no Brasil, entre diversas outras coisas. Acredito que depois de resolver pelo menos grande parte dos problemas, pode ser pensado em se fazer isso no Brasil. Mesmo assim eu concordo com a proibição, inclusive apoiaria uma maneira de dificultar a venda de produtos de tabacaria, como já é feito com o aumento de impostos sobre os cigarros normais. Abraços

10/03/2013 01:15:20, Celso Tito Godoy
Faça seu comentário