|. HOME .| -->

Ponta Porã tem plano local de enfrentamento ao crack integrado a Pedro Juan Caballero

Assim como Diadema (SP), Ponta Porã (MS), na fronteira com o Paraguai, tenta acelerar a luta contra o crack e outras drogas. A realidade da cidade é especial por envolver problemas que abrangem dois países, que lutam, paralelamente e com legislações diferentes, contra o tráfico e a dependência de drogas.

Doralice Nunes Alcântara, secretária de Assistência Social e do Trabalho de Ponta Porã (MS), informou aos senadores da subcomissão que o sistema de saúde e assistência social do município recebe grande demanda da população da cidade paraguaia vizinha, Pedro Juan Caballero, contabilizando mais de 150 pacientes, entre os mais de mil dependentes atendidos em Ponta Porã.


Cidade recebe demanda do Paraguai, afirma secretária de Assistência Social e do Trabalho, Doralice Alcântara. Foto: José Cruz

“Já caminhamos para tirar do papel uma articulação de todas as políticas públicas municipais e também um processo de integração com Pedro Juan Caballero. A câmara municipal está conosco e também as autoridades paraguaias convidadas. Daí resultou o nosso plano local de enfrentamento ao crack e outras drogas”, explica Doralice.

A secretária informou ainda que Mato Grosso do Sul também desenvolve um plano de atenção à saúde que contempla a dependência química e destinou ao Fundo Estadual de Assistência mais de R$ 1 milhão. “Nossa universidade estadual é um dos centros regionais de enfrentamento, que começou agora [em abril de 2011] o primeiro seminário, a primeira capacitação prevista no plano”.

Ponta Porã, segundo Doralice, financia comunidades terapêuticas com recursos do Ministério do Desenvolvimento Social, já que elas não têm acesso aos recursos do Ministério da Saúde por não se adequarem às regras da Anvisa para estabelecimentos de saúde.

“Temos a Resolução 109 [de 2009] do MDS, que define os tipos de serviços socioassistenciais. E é assim que fazemos o conveniamento [com as comunidades terapêuticas] em Ponta Porã”, explica Doralice, referindo-se à equiparação dessas entidades, feita pelo município, aos abrigos, casas de passagem e residências previstos pelo MDS como destinatários de recursos públicos.

Comentários

Data da matéria

Gostei da matéria, mas gostaria de saber a data da mesma. Sugiro que coloquem sempre a data antes da manchete das matérias.

10/10/2012 17:45:36, Camilo
Faça seu comentário