|. HOME .|

Rio+20

O Senado e a Conferência Rio+20: reunião da ONU no Brasil para discussão sobre o meio ambiente, 20 anos depois da Rio-92

Realizada há 20 anos, a Rio-92 é considerada uma das conferências de maior sucesso já realizadas pela ONU. Nela, o mundo reconheceu que o desenvolvimento deve, ao mesmo tempo, combater a miséria e não agredir o meio ambiente.

Este ano, o palco das discussões retorna ao Rio de Janeiro. Mas, se há 20 anos o Brasil atravessava um período de dificuldades na economia e na política, hoje o cenário é outro: estabilidade, moeda forte, exportações de alimentos e promessas de grande produção de petróleo.

Porém, a crise econômica nos Estados Unidos e na Europa, diferentemente do que aconteceu em 1992, limita o poder dos governantes desses países de firmar acordos que possam ter impactos na economia. Assim, ainda que o Brasil se mostre mais preparado para organizar a reunião e influir em sua pauta, a Rio+20 não dispõe das condições favoráveis no contexto internacional que a Rio-92 teve.

Para que a Rio+20 traga os avanços esperados, o Senado se articulou com o governo federal e a ONU e ouviu especialistas em audiências públicas em duas subcomissões, ambas presididas pelo senador Cristovam Buarque — vinculadas às comissões de Relações Exteriores e de Meio Ambiente. Patrocinador desses debates, o senador Fernando Collor foi protagonista da Rio-92 como presidente do Brasil e da própria conferência. Agora, ele insiste que a Rio+20 deve ter papel semelhante ao da reunião anterior e avançar no tratamento adequado do futuro da Humanidade.

Ainda que haja restrições a acordos mais ousados, a esperança é que a Rio+20 reafirme compromissos com as próximas gerações. Para isso, o Senado sugere que a conferência traga consequências práticas como a adoção do princípio da não regressão, pelo qual seria impossível desfazer o que já foi alcançado em conferências anteriores, como a própria Rio-92.

Em discussão! traz uma análise, com muita história, do que é possível e o que se pode esperar da reunião. E apresenta ideias e opiniões do Senado para a conferência.

Boa leitura!

Faça seu comentário