|. HOME .| -->

Crise econômica mundial, exportação de commodities e primarização

Participação de commodities e de produtos de alta tecnologia na exportação do Brasil 

De acordo com os pesquisadores do Ipea Fernanda De Negri e Gustavo Varela Alvarenga, a conjuntura dos últimos 15 anos e a atual crise econômica mundial contribuem para a primarização da matriz brasileira de exportações. Mostra disso é que, em 2009, enquanto o comércio internacional caiu 22%, o crescimento da economia chinesa diminuiu apenas 11%, e o país se consolidou como o principal parceiro comercial do Brasil. Entre 2000 e 2009, a participação dos produtos brasileiros no total das importações chinesas cresceu de 0,49% para 2%. Em 2009, 2,5% das commodities importadas pela China vinham do Brasil.

Além do bom desempenho na exportação de commodities e da atração que o Brasil exerce sobre os capitais internacionais na crise econômica, que mantêm o real forte e encarecem os produtos do país, facilitando as importações, a primarização resulta também da perda de competitividade da indústria nacional por falta de inovação. Para De Negri e Alvarenga, o boom das commodities compensou a perda na balança comercial representada pela menor competitividade da indústria brasileira no mercado mundial. Embora os autores do Ipea considerem cedo para diagnosticar uma “desindustrialização” do Brasil, já que tem havido um aumento da produção provocado pelo crescimento da demanda doméstica, eles alertam que esse não é um ciclo sustentável em longo prazo. 

Sumário

Indicadores de inovação tecnológica no mundo: a posição do Brasil nos rankings

Participação de commodities e de produtos de alta tecnologia na exportação do Brasil

Crise econômica mundial, exportação de commodities e primarização

Investimento em pesquisa e desenvolvimento, ciência, tecnologia e inovação no Brasil

Financiamento público nos países para pesquisa e desenvolvimento de tecnologia

Indústria no Brasil tem pouca participação nos produtos de inovação tecnológica

Laboratórios de pesquisa do Coppe na UFRJ

Convênios tecnológicos da UFCG, PB, referência em tecnologia e engenharia

Incubadoras de empresas no Brasil

Inovação, empresas e universidades: parques tecnológicos no Brasil

Leis federais e estaduais para incentivo de ciência, tecnologia e inovação no Brasil

Pesquisa, ciência, tecnologia e inovação começam na educação

Investimento em inovação tecnológica: Finep e os pesquisadores brasileiros

Universidade: doutores que não chegam às empresas e à pesquisa na indústria do Brasil

Formação em engenharia no Brasil: engenheiros para ciência e inovação tecnológica

Orçamento público de ciência, tecnologia e inovação: investimento do governo do Brasil

Desenvolvimento de pesquisas: NITs e redes temáticas

Programa Ciência sem Fronteiras: bolsas para estudantes e pesquisadores

Programas do CNPq para desenvolvimento de projetos de pesquisa em empresas

A Lei do Bem (Lei nº 11.196, de 2005)

Empresas privadas e leis de incentivo à ciência no cenário nacional

A economia do conhecimento: seminário sobre produção, ciência, tecnologia e inovação

Universidades do Brasil: poucas patentes e inovação tecnológica

Projeto de lei para setor de ciência, tecnologia e inovação

Recursos: o fundo social dos royalties de petróleo