|. HOME .|

Inovação

A situação econômica e a inserção internacional do Brasil são, possivelmente, as melhores da história. De “país do futuro”, em muitos indicadores, como emprego e renda, o Brasil aparenta ter se tornado o “país do presente”.

Porém, uma comparação com as maiores economias do mundo aponta que o país ainda não incorporou a grande parte da produção as tendências da economia do conhecimento. Liderada pela indústria, essa nova organização é chamada de terceira revolução industrial ou revolução tecnocientífica. Tem como pilar a incorporação de grandes aportes de tecnologia a novos produtos e serviços oferecidos à população por meio da inovação, pela qual há integração entre ciência e produção, envolvendo áreas como automação, robótica e engenharia genética.

O problema é que a participação da indústria no produto interno bruto (PIB) nacional vem caindo. A pauta de exportações brasileira conta com poucos produtos de alto ou médio aporte tecnológico, sendo dominada pelas commodities da agricultura e da mineração.

Além disso, o país investe pouco na área de ciência e tecnologia, apresentando desempenho pouco satisfatório nos rankings internacionais de inovação e de competitividade. Registra, em alguns deles, tendência de queda.

O governo e o Senado já identificaram a necessidade de dar novo rumo à produção nacional. Para isso, será necessário um grande esforço para dotar o país de política industrial capaz de aumentar os investimentos em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e processos que sejam incorporados às linhas de produção. O Plano Brasil Maior, de agosto de 2011, e a Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, lançada este ano, fazem esse diagnóstico e tentam apresentar algumas soluções, especialmente, mais recursos para o setor.

Isso porque, mais que um desafio pontual, a entrada do Brasil na economia do conhecimento implica empenho em um setor básico, apontado como uma das maiores dívidas sociais do país: a educação.

Esses temas fizeram parte dos debates travados no Senado durante o seminário Caminhos para a Inovação, realizado pela Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT), com alguns dos nomes mais importantes da ciência nacional, como o físico Marcelo Gleiser e o neurocientista Miguel Nicolelis.

As informações do seminário serviram como base para esta edição, que apresenta o problema, faz um diagnóstico da posição do Brasil no cenário internacional, mostra as experiências de sucesso no país e, finalmente, apresenta as propostas — várias delas estão em discussão no Senado na forma de projetos de lei — que podem acelerar e tornar mais eficientes iniciativas que melhorem a competitividade nacional.

Boa leitura!

Comentários
Faça seu comentário

Sumário

Indicadores de inovação tecnológica no mundo: a posição do Brasil nos rankings

Participação de commodities e de produtos de alta tecnologia na exportação do Brasil

Crise econômica mundial, exportação de commodities e primarização

Investimento em pesquisa e desenvolvimento, ciência, tecnologia e inovação no Brasil

Financiamento público nos países para pesquisa e desenvolvimento de tecnologia

Indústria no Brasil tem pouca participação nos produtos de inovação tecnológica

Laboratórios de pesquisa do Coppe na UFRJ

Convênios tecnológicos da UFCG, PB, referência em tecnologia e engenharia

Incubadoras de empresas no Brasil

Inovação, empresas e universidades: parques tecnológicos no Brasil

Leis federais e estaduais para incentivo de ciência, tecnologia e inovação no Brasil

Pesquisa, ciência, tecnologia e inovação começam na educação

Investimento em inovação tecnológica: Finep e os pesquisadores brasileiros

Universidade: doutores que não chegam às empresas e à pesquisa na indústria do Brasil

Formação em engenharia no Brasil: engenheiros para ciência e inovação tecnológica

Orçamento público de ciência, tecnologia e inovação: investimento do governo do Brasil

Desenvolvimento de pesquisas: NITs e redes temáticas

Programa Ciência sem Fronteiras: bolsas para estudantes e pesquisadores

Programas do CNPq para desenvolvimento de projetos de pesquisa em empresas

A Lei do Bem (Lei nº 11.196, de 2005)

Empresas privadas e leis de incentivo à ciência no cenário nacional

A economia do conhecimento: seminário sobre produção, ciência, tecnologia e inovação

Universidades do Brasil: poucas patentes e inovação tecnológica

Projeto de lei para setor de ciência, tecnologia e inovação

Recursos: o fundo social dos royalties de petróleo