|. HOME .| -->

Brasil adota redução de danos, mas sem consenso

Ao contrário do tratamento por desintoxicação, as iniciativas de redução de danos não exigem que o dependente deixe de consumir drogas. A ideia é diminuir os prejuízos causados pela dependência, tanto para o usuário quanto para a sociedade. Entre os riscos a serem minorados estão: suicídio, overdose, acidentes, prejuízos cerebrais irreversíveis e doenças transmissíveis, como Aids e hepatite.


Distribuição de preservativos em Bagé (RS): evitar DSTs é objetivo da política de reduzir riscos para os dependentes. Foto: Ascom/Ministério da Saúde

Para Aloísio Andrade de Freitas, presidente do Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas de Minas Gerais, “a redução de danos quer dizer que entre o real e o ideal tem o possível”. A cientista social Andréa Domanico afirma que esta abordagem “leva em consideração a complexidade do fenômeno, a diversidade dos usos e as particularidades culturais dos usuários, possibilitando uma melhor compreensão da hierarquia de riscos”.

A primeira menção à redução de danos registrada foi o Relatório Rolleston, de 1926. O documento, assinado por vários médicos ingleses, defendia que a administração da droga e o monitoramento do seu uso feitos pelo médico – à época em teste na Europa – eram a melhor maneira de tratar dependentes de morfina ou heroína.

A redução de danos integra as políticas públicas oficiais de diversos países. No Brasil, o Ministério da Saúde afirma que “a abstinência não pode ser o único objetivo a ser alcançado. As práticas de saúde devem acolher, sem julgamento e para cada usuário, o que é possível, o que é necessário, o que está sendo demandado, o que pode ser ofertado, o que deve ser feito”.

Mesmo oficializada, a redução de danos está sem consenso no Brasil. Um dos maiores obstáculos à sua implantação é o entendimento de que ela incentivaria o consumo de drogas, com gastos desnecessários, quando o objetivo deveria ser a desintoxicação total.

Por outro lado, instituições como a Rede Brasileira de Redução de Danos e Direitos Humanos (Reduc) e a Associação Brasileira de Redutores de Danos (Aborda) partem do princípio de que não é possível livrar o mundo das drogas, fato que nunca ocorreu em toda a história da humanidade. O tema segue sem consenso.

HIV

Entre os maiores danos, que buscam ser evitado pela redução de danos, está a infecção por HIV, à qual os usuários de crack são especialmente vulneráveis, além de a outras doenças transmitidas sexualmente, por conta das práticas sexuais sem proteção associadas ao número elevado de parceiros, troca de sexo por dinheiro ou por droga, baixo nível de instrução dos consumidores, dependência concomitante de outras drogas e baixa imunidade dos usuários.

Bo Mathiasen, representante do Escritório Sobre Drogas e Crimes, da Organização das Nações Unidas (Unodc), afirma que, na década de 1990, estudo realizado em Nova York evidenciou que, entre as mulheres usuárias de crack, 21% eram soropositivas. Outro estudo, também dos anos 1990, feito em Houston (EUA), mostrou altas taxas de infecções sexualmente transmitidas entre as dependentes da droga: 11,3% positivas para HIV; 14,9%, para sífilis; e 53,3%, para hepatite B. No Brasil, segundo Mathiasen, estudo publicado em 2004 revelou uma prevalência de 20% para o HIV entre as dependentes de crack.

Comentários

POLITICA DE REDUÇÃO DE DANOS

O que acontece no Brasil e uma vergonha a banalização das cracolandias a falta de invertimento na saúde e a corrupção dificulta toda e qualquer ação proativa para o que o poder publico visa que é "um milagre" no tratamento de milhões de pessoas que sofrem com a dependencia quimica temos que efetivar uma politica de redução de danos para dependentes quimicos e para as familhas desses dependentes que tambem são afetadas pela doença de seus familiares que muitas das vezes não tem nem condições de tomar decisoes por si só não estou dizendo que a internação compulsoria é correto ou incorreto. os programas do goveno e de algumas casas de tratamento de dependentes quimicos visam acabar com o uso de drogas isso é um sonho impossivel de se realizar o problemas das drogas nunca vai acabar logo devemos nos concentrar em trabalhar de forma a transformar o problema em solução a liberação de algumas drogas para o uso medicinal seria um começo, classificar de forma clara o que são drogas recreativas e drogas pesadas, levar ao conhecimento das familhas de dependentes a possibilidade de tratamento do grupo familiar.

30/01/2013 21:43:55, MARCELO CHAGAS RIBEIRO
Faça seu comentário